VIOLÊNCIAS E O CYBERBULLYING: ESTUDANTES CONTRA DOCENTES

Rafaela Maria Rodrigues

Resumo


A revolução microeletrônica deu origem a uma informação impessoal,
fragmentada, instantânea e simultânea, concomitantemente com a produtibilidade dos chamados produtos culturais provocou uma reconfiguração identitária na sociedade hodierna. Posto isto, tal processo produziu consequências significativas na articulação entre aluno e professor, de maneira que os discentes encontram nas mídias online uma forma fácil e rápida de se dirigir ao professor em termos de crítica e bullying. Em consequência, os docentes se deparam com a violência de cyberbullying praticada por seus alunos, afirmando que o professor não é mais identificado como figura de autoridade. O presente trabalho buscou analisar a compreensão de estudantes de Ensino Médio sobre esta violência cibernética e as origens dessa prática contra seus professores. Para a produção de dados, realizaremos cinco questionamentos relacionados à violência de cyberbullying no campo educacional para estudantes do primeiro ao terceiro ano do Ensino Médio de uma escola Estadual de Ensino Integral, de São Carlos – SP. A análise permitiu-nos identificar que os alunos investigados na maioria das perguntas ficaram indiferentes a respeito do tema e que essa violência virtual ainda não é totalmente vista como uma violência de fato. Além disso, concebem que o cyberbullying se origina na maior parte, de problemas derivados do contexto social em que estão inseridos.
Palavras-chave: Violência. Cyberbullying. Alunos. Professores.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Cadernos da Pedagogia

© 2007. Revista Cadernos da Pedagogia. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Graduação em Pedagogia. Publicação contínua. ISSN: 1982-4440.